ABOR sugere normas e parâmetros para o ensino da Ortodontia no Brasil

Devido ao número crescente de cursos de Ortodontia no Brasil, a Associação Brasileira de Ortodontia e Ortopedia Facial (ABOR) vem sugerir novas diretrizes e normas para o estabelecimento de Cursos de pós-graduaçao latu sensu (Especilização) em Ortodontia
Para a ABOR, em matéria publicada no site da entidade, a Especialidade vem enfrentando muitas dificuldades. E a baixa qualidade na formação do especialista é uma delas.
De acordo com a publicação: “Isso gera muitas barreiras tanto para nossa Classe como para os pacientes. O profissional mal formado não tem conhecimento suficiente para resolver os problemas ortodônticos, e dessa forma não atinge o objetivo final com sucesso. Para a classe ortodôntica, isso resulta em descrédito da especialidade, denegrindo a imagem da Odontologia e dos profissionais.”

Uma das proposições da ABOR, é que um curso para formar um especialista em Ortodontia deveria ter duração mínima de trinta meses e carga horária mínima de 2.000 horas. Oque não ocorre na mariora dos cursos existentes atualmente. Para a ABOR, somente dessa maneira conseguiríamos, 1) assegurar formação biológica básica; 2) transmitir sólidos conhecimentos de diagnóstico, planejamento, execução e finalização de um tratamento; e 3) desenvolver habilidades manuais específicas. Após isso o profissional estaria apto a conduzir o tratamento em todas as suas etapas com segurança e eficiência.
Link da notícia completa: http://www.abor.org.br/caract.htm

Nenhum comentário: